Técnicas de gravação no Pro Tools

logo_backstage

Artigo publicado na Backstage. Para conhecer mais sobre a revista, clique aqui.

Para saber mais sobre treinamentos e certificações oficiais em Waves, Pro Tools, Sibelius ou outros treinamentos em áudio, clique aqui.


 

Múltiplas opções para as diversas situações em uma produção

Quando alguém pensa em instalar uma ferramenta de produção de áudio no seu computador geralmente é porque está interessada em gravar suas idéias e registros sonoros. Tão logo o primeiro registro sonoro é feito, o usuário descobre que a parte de edição e mixagem mais rica do que se imagina, e por conta disso, deixa de lado questões relacionadas a gravação.

Porém, existe mais de uma maneira de fazer uma gravação; todas elas igualmente importantes para garantir o melho fluxo de trabalho nas mais diferentes situações.

Neste artigo, vamos passar por todos os estágios e técnicas relacionadas a gravação de áudio e MIDI e confirmar se há algum recurso que pode ser incorporado para acelerar ou simplificar trabalho de cada um dos leitores.

Gravando áudio da forma mais simples possível

Se você está lendo o artigo procurando um passo a passo bem simples e direto, vamos lá! A preparação de gravação de áudio envolve quatro passos. Vamos fazer todos os processos pela janela de Mix, pelo menu Window > Mix.

Passo 1: no menu Track > New, vamos criar um áudio track mono; 

Passo 2: insira seu microfone em uma entrada da sua interface;

Passo 3: configure a entrada do canal (fig. 1A) de acordo com a entrada em que o microfone foi ligado;

fig. 1 – configurações para gravação

Passo 4: habilite o botão rec enable (fig. 1B) para monitorar o sinal, fale um pouco no microfone e regule o ganho de entrada na interface de forma a obter o sinal modulando entre –12dB e –6dB.

Pronto. Com tudo configurado, podemos voltar para a janela de edição pelo menu Window > Edit e iniciar a gravação pelo atalho F12 ou pressionando o número 3 no teclado numérico.

E quando o músico e o técnico são a mesma pessoa?

Muito comum nos dias de hoje, o músico se grava sozinho e o problema começa quando ele precisa fazer emendas, ou seja, vir ouvindo o material gravado e continuar uma gravação a partir de um certo ponto.

Neste caso, o músico/técnico precisa programar o Pro Tools para vir tocando a música e iniciar uma gravação automaticamente, pois ele estará com as mãos ocupadas com a execução.

O componente essencial para fazer esta programação é o Pre Roll. Encontra-se na janela de transport, localizada no menu Window (fig. 2A).

fig. 2 – Pre-roll habilitado e configurador no Transport

Primeiramente, vamos acionar o pre roll com um clique no nome da função e ao lado, vamos configurar quanto tempo gostaríamos que o Pro Tools tocasse a sessão antes do início da gravação.

Agora, basta colocar o cursor no local em que deseja que o Pro Tools inicie a gravação. Repare que à esquerda de onde foi posicionado o cursor, temos uma pequena bandeira laranja (fig. 3). Ela indica o pre roll, ou seja, de onde o Pro Tools vai vir tocando ao acionar o botão de gravação.

 

fig. 3 – pre roll habilitado na janela de edição

Gravando múltiplos takes

Solos, vozes, trechos complexos… estes são alguns casos em que fatalmente várias tentativas serão feitas, e tem o registro de todas estas tentativas são extremamente úteis, pois podemos assim construir um take com os melhores trechos de cada take.

Criar vários tracks para receber cada um dos takes é a pior alternativa possível. O recurso para fazer este tipo de trabalho com conforto e eficiência são os chamados “alternate playlists”.

Um recurso muito útil, que existe desde as primeiras versões do Pro Tools e curiosamente é pouquíssimo utilizado.

Ao terminar a gravação do primeiro take, vamos criar um novo playlist (não uma nova pista) clicando na seta ao lado no nome da pista (fig. 4) e escolher a opção “new…”.

fig. 4 – gerenciamento de playlists

Com isso, a pista fica livre para receber uma nova gravação mas o primeiro take continua disponível clicando no mesmo local indicado na figura 4.

No meu exemplo, fiz 5 takes (fig. 5). Cada take está na
sua playlist e a grande vantagem é que agora eu posso criar uma sexta playlist copiar trechos de qualquer playlist para ela, e assim compilar um “take final” com o melhor trecho de cada take.

 

fig. 5 – lista de opções de takes

 

Gravando múltiplos takes sem perder a inspiração

Pelo menu Options, temos a opção Loop Record que tem como objetivo criar automaticamente estes playlists a cada loop do trecho selecionado.

Isso evita o processo de parar o Pro Tools, criar nova playlist e gravar de novo. Pode parecer bobagem, mas é o suficiente para desconcentrar uma mente criativa.

Para colocar em ação, basta acionar a função, selecionar um trecho a ser gravado e habilitar a gravação. Simples assim, a cada loop, um novo playlist será criado.

Encerrada a gravação, é possível abrir todos os takes feitos em loop clicando com o botão direito no clip em questão e acessando a função Alternate takes > Create a new playlist per take.

Ajuda na gravação de MIDI

A produção MIDI não é apenas para tecladistas. Quase toda produção hoje em dia conta com recursos MIDI e instrumentos virtuais.

E neste ambiente, nem sempre quem está produzindo tem o piano como formação, o que pode dificultar um pouco na hora de executar suas idéias. A seguir, vamos ver algumas possibilidades para facilitar o processo.

Primeiramente, não custa lembrar que é possível diminuir o andamento do Pro Tools temporariamente para gravação MIDI sem nenhum tipo de perda na qualidade sonora, uma vez que o MIDI é sempre executado em tempo real. Então se sua música está em 100bpm e o trecho é rápido demais para você, fique a vontade para reduzir o BPM por exemplo para 50BPM e grave na metade da velocidade e ao terminar, basta alterar novamente para 100BPM.

Pelo window > transport podemos também ativar o recurso “MIDI MERGE” (fig. 2B). É usado quando precisamos gravar trechos que exigem coordenação com duas mãos, como por exemplo na criação de uma levada de bateria. Com ele, podemos gravar a performance aos poucos, em camadas, sem apagar o que já foi previamente gravado.

Você poderia então primeiramente gravar apenas uma levada no prato de Hi-Hat, parar a gravação e depois reiniciar uma gravação para gravar o bumbo e caixa. Ou seja, as duas execuções serão somadas, ao invés da mais nova apagar a antiga como acontece com com o áudio.

E com isso, vamos ficando por aqui. Estes recursos são importantes não apenas para ser prático e rápido, mas também para que seja possível alcançar o melhor rendimento do seu fluxo criativo.

Abraços!


cris3x4 blog proclassCristiano Moura é produtor musical e instrutor certificado da Avid. Atualmente leciona cursos oficiais em Pro Tools, Waves, Sibelius e os treinamentos em mixagem na ProClass. Por meio da ProClass, oferece consultoria, treinamentos customizados em todo o Brasil.